dpjgblog

sábado, fevereiro 09, 2008

Muitos Grupos de Jovens cristãos só reúne para conviver

Inquérito aos grupos de jovens da diocese
O DPJG, reconhecendo que os grupos de jovens são um dos melhores instrumentos de evangelização juvenil, solicitou aos grupos existentes na Diocese que respondessem a um inquérito com o objectivo de fazer um diagnóstico sobre o estado actual dos mesmos, o seu funcionamento e as suas principais necessidades.
A participação foi reduzida. Dos mais de quarenta grupos inscritos no DPJG apenas doze responderam ao inquérito. No entanto, apesar da participação reduzida, os resultados não deixam de ser elucidativos pois representam cerca de 196 jovens da Diocese, dos 15 aos 30 anos, e são uma base de estudo acerca das actividades e motivações dos grupos de jovens, deixando transparecer algum descontentamento com a sua actual situação (cerca de 65% dos inquiridos avaliam o estado do grupo como “Razoável”).
Sabendo da dificuldade que os grupos têm para subsistir sem um animador, o DPJG constatou que, um terço dos grupos inquiridos não tem animador. Mas o mais preocupante é que a presença de um animador num grupo foi igualmente considerada como uma das necessidades menos importantes para os jovens da diocese, embora este resultado possa ter a ver um pouco com a qualidade dos que existem.
A vontade dos jovens e dos párocos é essencial para a criação de um grupo de jovens. Segundo as respostas dadas, a adesão de jovens é a maior necessidade actualmente. Por outro lado, o apoio do pároco é considerado importante para a criação do grupo, mas não tão importante depois da sua criação, pois foi apontada como uma das últimas necessidades sentidas pelos grupos de jovens, possivelmente devido à boa organização dos grupos e dos seus animadores que conseguem existir por si, sem um apoio mais permanente do seu pároco.
A grande maioria dos grupos reúne-se semanalmente para rezar, programar actividades, reflectir temas propostos e para o convívio entre os elementos do grupo. O convívio foi, aliás, apontado como uma das actividades mais importantes e, por isso, uma das que mais organizam e em que participam. Este resultado devia levar-nos a reflectir sobre os verdadeiros motivos pelos quais se formam os grupos de jovens cristãos. Apesar de rezarem, animarem as eucaristias, reflectirem temas ocasionais, os grupos não se dedicam a fazer uma caminhada de fé sistemática.
Paradoxalmente ou não, no inquérito, as maiores necessidades, além da adesão dos jovens, passam por formação, itinerários de fé, fé no seio do grupo, material de apoio. Isto delata a situação concreta dos grupos que se debatem entre a realidade e o desejo de crescer na fé. Isto ainda aumenta a responsabilidade aos pastores e agentes pastorais.
Um aspecto muito positivo que sobressaiu deste inquérito foi a satisfação manifestada pelas actividades promovidas pelo DPJG e a boa comunicação entre este e os grupos, uma vez que 100% dos inquiridos que responderam recebem informações deste Departamento, através de cartas que lhes são enviadas. Por outro lado, apenas um terço dos grupos recebem informações através dos seus párocos, o que pode revelar algum alheamento da parte destes face ao trabalho com os jovens da sua paróquia.
Como conclusão, o diagnóstico levantado deixa perceber que há necessidade de reflectir sobre o papel e missão dos grupos de jovens na actualidade, e sobre a forma como os grupos da Diocese estão a conseguir, ou não, desempenhar a sua missão da melhor maneira. É preciso encontrar caminhos para o crescimento da Fé e tornar os grupos de jovens um espaço para esse crescimento, para além do convívio e da concretização de actividades. Fica o desafio para a reflexão e discussão a todos os grupos.

O DPJG


"Apesar de rezarem, animarem as eucaristias, reflectirem temas ocasionais, os grupos não se dedicam a fazer uma caminhada de fé sistemática"


"A vontade dos jovens e dos párocos é essencial para a criação de um grupo de jovens."

1 comentário:

alx disse...

mas qual é a novidade?
não é preciso fazer um inquèrito para chegar a essa conclusão.

A sabedoria está em transformar essa motivação incial numa caminhada....